Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Esporte’ Category

tifosi2Realmente não é lugar comum dizer que os italianos amam o futebol. Os romanos amam a Roma ou a Lazio, os milaneses a Inter ou o Milan, os napolitanos a Napoli, enfim, existem centenas de times de futebol na Itália distribuídos em inúmeras séries do “Campionato Italiano di calcio”.

E esta paixão não é recente. Já os antigos romanos praticavam um esporte chamado “Harpastum”, que era jogado por duas equipes em um campo de areia. Competição viril com disputas corpo a corpo, este esporte tornou-se muito popular e difundiu-se por todo o Império Romano.

calciofiorentinoMais tarde, na metade do século XV o “calcio storico fiorentino” (futebol histórico florentino) deu continuidade ao jogo romano e alcançou tamanha popularidade em Florença, que era praticado nas ruas e praças da cidade e com tanta paixão que muitas vezes gerava conflitos e problemas de ordem pública. Chegou até mesmo a ser proibido em alguns locais da cidade e ainda hoje, pode-se observar em alguns pontos de Florença placas com escritas de proibição ao jogo.

calciostorico5A popularidade do calcio storico fiorentino durou até o fim do século XVII, depois iniciou um lento declínio. Mas o jogo continuou na memória dos florentinos , que continuaram a praticá-lo informalmente nos próprios bairros. O renascimento oficial do jogo deu-se em 1930 e desde então, os quatro bairros históricos da cidade, “i Bianchi”, “i Rossi”, “gli Azzurri” e “i Verdi” disputam um apaixonado e muitas vezes tumultuado torneio todos os anos no mês de junho.

Este jogo, que lembra o rugby, influenciou o futebol moderno, não só nas regras, como também na paixão dos torcedores e no ambiente de festa das partidas. Festa futebolística italiana que um dia eu tive a oportunidade de participar.

Era uma tarde romana ensolarada de 1984, mais precisamente uma bela e especial tarde de 30 de maio, quando a cidade estava colorida de “giallo e rosso” (amarelo e vermelho), as cores da Roma, a “squadra de calcio” (clube de futebol) mais popular da Cidade Eterna.

stadioolimpicoEra dia de jogo e lá fomos nós. No caminho, compramos o nosso lanche, a tradicional “pizza al taglio”e seguimos rumo ao Stadio Olimpico di Roma. Na frente do estádio, mais merendinhas: azeitonas e sementes de abóbora tostadas, que me surpreenderam. Muito boas. Não imaginava.

Finalmente entramos. Estádio lotado com 70.000 expectadores. Os“tifosi” (torcedores) cantando. Um belo espetáculo. Emocionante.

falcãoBrunoContiA Roma entra em campo com os ídolos Bruno Conti e o brasileiro Falcão, mais conhecido como o “Re di Roma” (Rei de Roma). A equipe romana, que havia vencido o campeonato italiano naquele ano, jogava a final da Champions League com o Liverpool.

Partida tensa. No intervalo, os “tifosi” relaxam um pouco e desembrulham as suas merendas. Comemos as nossas pizzas. Uma família de romanistas sentada ao nosso lado nos ofereceu sanduíches. Orgulhosos, eles contaram que eram romanistas há várias gerações e que aqueles sanduíches foram feitos em casa, pela mamma. Naturalmente aceitamos e é claro que eram deliciosos. tifosi1

Infelizmente, a Roma não levou o título. Após um empate de 1X1, perdeu na disputa de pênaltis e os tifosos voltaram tristes para casa. No entanto, sem perder nem um pouco da paixão que os fazem retornar ao estádio, em outras tardes ensolaradas ou frias ou chuvosas, e cobri-lo de amarelo e vermelho para ver a Roma jogar e cantar “Grazie Roma” de Antonello Venditi, um famoso da música italiana e tifoso da Roma, para a qual, compôs várias canções, verdadeiros hinos.

grazie romaOutro romano, Francesco De Gregori, com a bela e sensível “La leva calcistica del 68” fez ainda mais. Uma metáfora sobre as paixões, as lutas e os medos do homem, tendo como protagonistas, Nino, um garoto de 12 anos e as lutas dos jovens da sua geração.

“Nino non aver paura di sbagliare un calcio di rigore

non è mica da questi particolari che si giudica un giocatore.

    Un giocatore lo vede dalcoraggio, dall’altruismo, dalla fantasia.”

“Nino não tenha medo de errar um pênalti 

não é por estes detalhes que se julga um jogador

um jogador se julga pela coragem, pelo altruísmo, pela fantasia.”

Quem sabe se De Gregori, também romanista, quando fez esta canção, pensou naquela tarde de domingo de 30 de maio de 1984.

Anúncios

Read Full Post »

Katakló

Domingo 18 de abril, na sala principal do Teatro Castro Alves, o grupo italiano de dança Katakló, trazido a Salvador pelo Istituto Italiano di Cultura, apresentou o espetáculo “Play”encantando a platéia com uma coreografia criativa e original, misturando dança, teatro e movimentos plásticos e acrobáticos que remetevam a esportes como futebol, ciclismo, tênis, esgrima, esqui, entre outros. play

Espetáculos inventivos e de incrível habilidade física com dança, mímica, movimentos atléticos e acrobáticos, humor, boa música, iluminação e figurino de qualidade, fazem com que o grupo Kataklò Athletic Dance Theatre fundado em 1995 na cidade de Milão por Giulia Staccioli, desde então diretora artística e coreógrafa do grupo, seja admirado e aplaudido nos vários palcos do mundo.

Giulia, uma ex-atleta campeã de ginástica ritímica nas Olímpiadas de Los Angeles ‘84 e Seoul ’88, deixando a atividade esportiva, integra por três anos o grupo de dança nova-iorquino Momix, onde consolida as suas qualidades de intérprete para depois fundar o Katakló, definido como phyisical theatre, que requer dos seus componentes alta formação atlética e técnica de dança, através de um trabalho duro de preparação com 6 a 8 horas de treinamento diário. Kataklo3

Os dançarinos, após serem admitidos no grupo, passam por um período de treinamento de 6 meses a um ano, para estarem plenamente preparados para o trabalho da companhia.

O nome Kataklò deriva do greco antigo e significa “Eu danço dobrando-me e contorcedo-me”. E é exatamente isto que faz o grupo, criando uma atmosfera mágica com a sua inventividade de movimentos corpóreos ritímicos e elegantes.

Espetáculo “Play”

Read Full Post »

Massa e AlonsoOggi parliamo un po’ di Sport. Uno degli Sport più amati da noi italiani. Dopo un anno da dimenticare la formula 1 ritorna sugli scudi. La Ferrari sembra rinata, e anche se il grande capo Luca di Montezemolo invita alla calma, le speranze di rivedere la rossa davanti a tutti sono tante. Tante come le novità che arricchiscono Il grande circo che scatterà domenica in Bahrain e che da molti già è considerato, prima ancora di partire, il più bello e combattuto da molto tempo a questa parte.

A giocarsi il titolo, sulla carta, saranno almeno quattro team. Iniziando con le "corazzate" Ferrari e McLaren. La Ferrari si è presa Fernando Alonso e ritrova Felipe Massa motivatissimo e sempre più sicuro di sé. La Schumacher presenta la MercedesMc Laren ha affiancato il campione del mondo in carica Jenson Button al solito "affamatissimo" Lewis Hamilton. E poi c’è la Mercedes, che ha acquisito la Brawn G P, fresca iridata, per accogliere addirittura il ritorno del campione dei campioni Michael Schumacher, che avrà come compagno Nico Rosberg. Ma attenzione alla Red Bull che ha chiuso il 2009 da dominatrice con Sebastian Vettel e Mark Webber, due giovani piloti da non sottovalutare mai.

Bruno Senna Non dimentichiamoci poi che oltre al nonno Barrichello, ci sara quest’anno l’esordio in Formula 1 di un nome e di un viso che mettono i brividi : Bruno Senna il nipote di Ayrton. Insomma ce n’è davvero per tutti i gusti.

Oltre ai piloti anche i progetti tecnici promettono sfacelli. Per Alonso la Ferrari 2010 è la miglior macchina che abbia mai guidato, opinione condivisa anche da Felipe Massa. Ma la Mc Laren e la Mercedes non sembrano da meno, con modelli innovativi, che hanno ridotto se non invertito Il gap con le Red Bull che hanno chiuso la scorsa stagione da dominatrici.

Vedere come si comporterà Schumi, ex símbolo della Ferrari, sulle frecce d’argento della Mercedes. Seguire da vicino le grandi rivalità in campo: tra Michael e Alonso, tra lo spagnolo e Hamilton, tra Lewis stesso e Button, tra il giovane Vettel e il resto della compagnia. Scoprire se Massa sarà lo stesso velocissimo pilota che ha trascinato la Ferrari fino al suo incidente all’Hungaroring. Verificare se l’abolizione dei rifornimenti e la partenza con serbatoi grandi e vetture pesanti cambieranno tattiche e comportamenti dei piloti. Gustarsi la nuova e sicuramente più competitiva disitribuzione dei punti. Ci sarà da divertirsi, come a guardare la nuova Ferrari qui sotto.

Ecco la nuova Ferrari 2010

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: